Hamilton, o Musical

A Disney+ chegou a Portugal, e veio para ficar. O serviço de streaming da Disney brinda-nos com clássicos como Steamboat Willie, mas também com novos conteúdos originais Disney, e com as adquiridas franquias MARVEL e Star Wars, apresentando um espectro de conteúdo para agradar miúdos e graúdos, deixando qualquer fã (ou não) agarrado. 

Mas queiram me permitir uma sugestão: Hamilton, o Musical!

© Playbill.com

O musical de Lin-Manuel Miranda foi um sucesso de bilheteiras na Broadway e chega a Portugal pela mão da Disney+. Trata-se de um musical que, encenando a época do século XVIII, conta com vários twists contemporâneos, hip-hop agradável e com um tom “funky” e um elenco de luxo, entre muitos outros pormenores que levaram Hamilton à conquista da Broadway. 

As emocionantes cenas de abertura tocam, à partida, no tema central da peça – a igualdade e os direitos civis no século XVIII, pelos quais Alexandre Hamilton lutou, e que ainda assim, mais de 200 anos depois, não poderiam ser mais actuais. As palavras proferidas no início ecoam o presente, falam-nos indiretamente de tudo o que permanece negligenciado na história Americana até à actualidade – “Eu nunca pensei que viveria mais que 20 anos. De onde eu venho, alguns chegam a metade”.

Lin-Manuel Miranda, é o criador e a estrela principal, dando vida à história do herói emigrante Caribenho que sobe a pulso e se torna um ícone dos direitos igualitários e co-fundador dos Estados Unidos, Alexander Hamilton

Mas não fiquemos por aqui. Em Hamilton será difícil apontar a algo que não gostemos. Lin-Manuel Miranda não brilha sozinho, e a seu lado podemos ver interpretações brilhantes como a de Daveed Diggs – um Marquis de Lafayette atrevido – com um rap poderoso e um estar em palco ousado, Renée Goldsberry – como Angélica Schuyler – com uma voz impactante, e ainda Leslie Odom Jr. – como Aaron Burr – cheio de ciúme. Mas acima de tudo, não posso deixar de referir a interpretação BRILHANTE de Jonathan Groff – como King George (conhecido historicamente por ter ficado maluco). Apesar das poucas cenas em que aparece, é impossível ficar indiferente à sua interpretação de “You’ll be Back”. Johnathan consegue, sem muito se mover, conquistar o público com a sua voz poderosa e um olhar penetrante, que consegue de um jeito tímido roubar o espetáculo, chegando mesmo a ser um dos pontos altos, e ainda assim, sem nunca tirar o brilho aos restantes colegas.

© Joan Marcus

Trata-se de uma comovente peça, cheia de lições que ficaram por aprender aos olhos da actualidade, e Lin-Manuel Miranda prova uma vez mais que é muito mais do que um simples encenador/ator. Com Hamilton ganha um outro elã na comunidade imigrante, sendo bastante ativo na defesa dos direitos civis tendo sido um dos representantes, e voz, do movimento #BlackLivesMatter.

Hamilton é a obra que celebra a diversidade, usando a sua mensagem histórica para promover a igualdade e o respeito pelo próximo. Além disso, é também uma excelente forma de se passarem duas horas e quarenta.

João Piecho

Co-fundador, membro da Equipa Editorial e, sobretudo, o responsável por toda a imagem e som deste estaminé. Tem como interesses: Fotografia, Música, e Desportos Motorizados e não Motorizados.